Balão intragástrico: 5 dicas incríveis para emagrecer de vez


Especialista revela atitudes essenciais para ter sucesso no emagrecimento após a colocação do balão intragástrico

O tratamento para emagrecimento com auxílio do balão intragástrico ainda é pouco conhecido pelo brasileiro. É polêmico entre os pacientes e a sociedade médica, apesar de já existir há quase 30 anos, ser feito na maioria dos países registrados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e aprovado como método seguro por órgãos reguladores como ANVISA (Agência de Vigilância Sanitária).

O Balão Intragástrico tem grandes vantagens, como ser um método endoscópico, ambulatorial com alta no mesmo dia, rápido, reversível, bastante seguro, temporário, não mutilante, podendo ser repetido ou abortado a qualquer momento. Veja aqui para quais pessoas o balão intragástrico é indicado.

O tratamento tem uma meta de perda em torno de 20% do peso corporal da pessoa, pois essa tem sido a média de perda brasileira com esse dispositivo. Não raro, pacientes ultrapassam 30% de perda. Posto isso, trago agora o que se deve fazer para aumentar as chances de sucesso e de perda de peso substancial usando o balão.

1. Procure uma equipe especializada para te ajudar

A colocação do implante e explante de balão são procedimentos endoscópicos relativamente simples. Se é um método endoscópico, deve então ser feito por um médico endoscopista, com titulação nesta área. Ainda que o médico seja endoscopista, é importante averiguar se o mesmo tem atuação no tratamento da obesidade e se dispõe de equipe multidisciplinar (outros profissionais, como nutricionista e psicólogo) para te apoiar nesse tratamento.

Apenas implantar um balão no estômago não é suficiente para tratar uma doença tão séria quanto a obesidade. Esse profissional deverá deixar à sua disposição seu contato pessoal para acesso livre sempre que precisar, já que é um tratamento prolongado de 6 meses a 1 ano.

2. Faça acompanhamento com nutricionista que tenha experiência com o balão

Talvez, após implantar o balão, essa seja sua decisão mais importante. O que vai interferir no aumento da saciedade e no efeito da obstrução provocada pelo balão é a dieta apropriada. Infelizmente não é qualquer nutricionista que tem essa experiência. Sim, qualquer nutricionista entende de prescrever dietas que ajudam a emagrecer, mas no caso do balão há outras variáveis que precisam ser controladas,

tais como:

  • Reeducação alimentar, que deve ser provocada pela presença do balão
  • Consumo de alimentos apropriados para a presença do balão, seja na quantidade ou seja na qualidade daquilo que você vai comer estando com uma obstrução de mais de 90% da luz do estômago. Por exemplo, comer alface para emagrecer é bom, mas não quando se coloca o balão
  • Prescrição de uma dieta que respeite os itens anteriores, mas que mantenha também um equilíbrio nutricional adequado, sem perda de vitaminas ou oligoelementos importantes para nossa saúde. Emagrecimento não pode trazer qualquer desnutrição
  • Dieta que promova o emagrecimento respeitando todos os itens anteriores. Somente um nutricionista com essa prática pode ajudar você a ter um tratamento potencializado, mais calmo, sem muitos sintomas.

Estar com o balão e não comer de acordo com o que essa técnica pede pode ser um desastre. Às vezes isso pode condenar todo o tratamento, não só o emagrecimento como também a permanência do balão no estômago.

3. Conte com a ajuda de um psicólogo

O fator comportamental é extremamente subestimado na obesidade. É muito comum um fator emocional ou comportamental estar muito relacionado ao ganho de peso. Doenças como ansiedade, depressão, comer noturno, beliscadores compulsivos, dependência química de açúcares ou carboidratos, compulsão alimentar, entre outros, podem estar relacionados à causa da sua obesidade.

Se não corrigidos, serão fatores de reganho depois que você emagrecer com o balão. O psicólogo tem técnicas especiais para quebrar os gatilhos da compulsão, de corrigir distúrbios alimentares, de ajudar na ansiedade, no comer sem fome. Eles ajudam a organizar tempo, provocar motivação, alteração de hábitos, substituição de padrões comportamentais, entre outros. Já ouvimos a expressão “cabeça de gordo”, pois então, quem corrige isso é ele. Esse profissional pode ser muito importante para uma mudança definitiva na sua vida.

4. Faça atividades físicas regulares e moderadas

As atividades não assumem tanto uma importância na perda, mas especialmente na manutenção da perda. Você não pode querer fazê-las quando retirar o balão. O correto é substituir a massa gorda (gordura) perdida por uma massa magra (músculo), que é um tecido altamente consumidor, aumentando seu metabolismo, aumentando seu gasto calórico basal (aquele que seu corpo gasta para funcionar, mesmo parado ou dormindo) e dificultando em muito o seu reganho de peso depois de ter emagrecido. Quem faz isso são as atividades físicas.

É óbvio que as atividades também aumentam o gasto calórico, ajudando a emagrecer, além também de dar um aspecto estético muito melhor para quem emagrece fazendo-as. No entanto, a intenção delas no tratamento é especialmente manter o que se perde. Essa atividade deve ser feita de forma regular e de moderada intensidade. Não conta aquela caminhada que você faz até o trabalho diariamente. Tem que vestir o tênis, shorts e camiseta e partir para o ataque.

Minha sugestão sempre é fazer isso de forma supervisionada, com um personal trainer, para evitar atividades que provocam ainda mais lesões, o que é comum acontecer quando estamos com sobrepeso. No início, para um sedentário e com excesso de peso, pode ser muito desconfortável fazê-las, mas com o tempo e o emagrecimento progressivo, você vai ganhar gosto pela coisa e logo estará adepto dessa prática. Creia nisso. Não recomendo fazê-las no primeiro mês de balão por que a dieta é muito restrita e não dá aporte calórico para sua prática, mas a partir do segundo mês você deve começá-las.

5. Evite os sabotadores do balão

Existem duas coisas que sabotam bastante o tratamento com o balão. Não abrir mão delas pode ser um motivo de insucesso. Se você não está disposto a mudá-las, sugerimos repensar a decisão de implantar o balão.

São eles:

  • Ingestão de açúcares ou de tudo que vira açúcar no sangue: Os açúcares não respeitam o balão, tampouco bariátricas, gastroplastias ou qualquer outro método. Eles levam o aporte calórico que você está precisando e equilibram o déficit que a ingestão menor que o balão está provocando. Assim você equilibra a conta e para de perder peso. Mesmo em pequenas, quantidades passam a sabotar o tratamento. Se fosse só isso… Os açúcares também têm o poder de acelerar o envelhecimento do balão, favorecendo o rompimento precoce dele, embora isso seja muito raro
  • Ingestão de certos tipos de líquidos: Não estamos falando apenas de água com gás, incluem-se aqui os refrigerantes e cervejas, esses ainda também são doces. Os líquidos gasosos promovem uma adaptação muito rápida do balão no estômago diminuindo seu efeito antes do tempo. Isso fará que se perca a rapidamente a saciedade mais elevada, principal e melhor efeito do balão. Além disso os gases não deixarão ocorrer a estase alimentar sobre o balão, pelo seu efeito obstrutivo, dificultando muito a percepção do seu efeito.

Pois bem, vários estudos mostram e nossa experiência também, que se o candidato ao tratamento do balão obedecer esses cinco requisitos expostos, tem mais de 80% de chances de perder pelo menos 20% do peso inicial. Veja que é um tratamento muito proativo, quer dizer, depende muito do portador do balão.

Se ele estiver interessado e com disposição de executar esses itens expostos, não só perderá peso como fará uma transformação total no seu estilo de vida. Haverá um tempo em que essa ferramenta, chamada balão, passará a ser um estorvo para você, por que você já mudou de tal forma que ela não se faz mais necessária.

Por fim, o candidato a qualquer tratamento emagrecedor há que se ter noção que está lutando contra uma doença incurável, como a obesidade, que tem apenas controle. É uma doença crônica, progressiva e fatal. Alto poder de recidiva, ou seja, de reganho de peso.

É multifatorial, ou seja, vários fatores se somam para seu aparecimento e progressão. Corrigir um ou apenas uma parte deles certamente não vai manter a pessoa magra por muito tempo. Temos que ter consciência que não é o peso que perdemos no tratamento e sim a vida que ganhamos.