Dicas de como consumir chia para emagrecer


Quem busca conhecer sobre alimentação saudável e dietas, com certeza já deve ter ouvido falar que chia é ótimo para emagrecer.

Esse é o nome popular da planta chamada Salvia hispânica , originária da América Central, mais especificamente onde hoje fica o sul do México e a Guatemala.

A parte mais famosa dessa planta são justamente as suas sementes. Elas são bem pequenas, de formato oval, e podem ser encontradas nas cores marrom, preta, branca ou cinza.

A semente da chia possui um sabor forte por causa da concentração elevada de ômega 3. Além disso, ela apresenta uma boa quantidade de minerais, vitaminas, proteínas, fibras, compostos fenólicos antioxidantes e tipos de gorduras poli-insaturadas, as chamadas “gorduras boas”.

Antes de entrarmos em detalhes e falar para que servem todos esses nutrientes, é curioso saber que o prestígio da chia como alimento saudável data desde a época dos maias e astecas.

Em maia, chia quer dizer “força”, e os guerreiros dessas civilizações americanas pré-coloniais consumiam a semente antes de suas batalhas. Segundo as lendas, era desta forma que os soldados conseguiam lutar por dias seguidos sem descanso. A chia era tão valorizada que também era usada nesses impérios como moeda de troca.

Benefícios da chia

De acordo com a nutricionista e membro do Conselho Regional de Nutricionistas – 9ª Região (CRN-9), Edith Zulato, os minerais presentes na chia são o potássio, cálcio, ferro, magnésio e o fósforo. Cada um deles têm diversas funções nutritivas importantes.

O cálcio, por exemplo, é necessário para os ossos; o ferro ajuda contra a anemia; o potássio auxilia no funcionamento do sistema nervoso; o magnésio é bom para os músculos; e o fósforo ajuda a regular o metabolismo do corpo.

“A chia também traz as vitaminas A, tiamina, riboflavina, nianica, cobalamina, ácido ascórbico e alfa-tocoferol”, diz a especialista.

  • Vitamina A, alfa-tocoferol e o ácido ascórbico são antioxidantes poderosos que o corpo humano não consegue produzir — e por isso é tão importante consumir alimentos que sejam ricos nessas substâncias;
  • Tiamina, ou mais conhecida como vitamina B1, faz bem para o cérebro e o coração;
  • Riboflavina beneficia os olhos, o cabelo e a pele;
  • Nianica ajuda no processo metabólico;
  • Cobalamina, ou vitamina B12, pode ajudar ainda na prevenção de derrames e infartos.

A chia também é um vegetal com teor de proteína bem alto, contendo aminoácidos essenciais para a nossa saúde. Além disso, suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, além da alta quantidade de fibras, também podem ajudar a perder peso.

A obesidade é considerada uma inflamação crônica leve do tecido adiposo , onde fica armazenada a gordura.

Logo, as propriedades anti-inflamatórias da chia podem ajudar a desinflamar este tecido, diminuindo o percentual de gordura corporal e outros fatores de risco da obesidade — o que é fundamental para quem luta contra a balança.

“Temos vários estudos que mostram a eficácia da utilização da semente na diminuição do PCR (marcador de processo inflamatório”, garante Zulato.

Fibras são importantes para quem quer controlar a alimentação. Rica nesse quesito, a chia age no organismo como um todo, mas tem maior eficiência no estômago.

Ali, ela forma uma mucilagem, uma espécie de gel que aparece quando a semente entra em contato com a água, e gera uma sensação de saciedade. Isso torna a digestão mais lenta, fazendo a pessoa comer menos.

“A chia também promove uma diminuição do índice glicêmico dos alimentos, especialmente do açúcar”, explica a especialista. Ela pode ser utilizada também para auxiliar no tratamento dietoterápico em pessoas com diabetes ou em pacientes que tenham resistência à insulina.

Contudo, é importante entender que a chia não é considerada exatamente um alimento emagrecedor, pois ela não tem propriedades termogênicas (queima de gordura) e tampouco age diretamente na oxidação das gorduras.

Chá de chia

Uma das formas mais benéficas de se consumir a chia é fazendo um chá. Como explica Edith Zulato, “ao colocar a semente em água e fervê-la por alguns minutos, é possível obter as vitaminas do complexo B, o cálcio, proteínas e todos os outros minerais disponíveis nela”.

A nutricionista atenta para o fato de que é interessante consumir o chá antes das refeições, pois ele ajuda a aumentar a saciedade e diminuir um pouco a fome.

Além disso, o potássio que a fervura da semente libera causa diminuição da retenção de líquidos no organismo, ajudando também a reduzir o inchaço.

Outras formas de se consumir a chia

A chia é uma semente muito versátil e pode ser utilizada tranquilamente junto com frutas, iogurtes, sucos, e até mesmo de modo integral, com omeletes, tapiocas ou da maneira que sua imaginação e habilidade na cozinha permitirem.

O enriquecimento nutricional de qualquer prato é sempre bem-vindo, e para isso há o óleo de chia e até uma farinha que pode ser usada em bolos e pães. Segundo a nutricionista, Raisa Coelho, “há um estudo que afirma que o farelo em temperatura ambiente contribui para diminuir os efeitos do estresse no organismo”.

Como a chia é uma semente que possui grande estabilidade, ou seja, sofre uma oxidação mínima ao longo do tempo, ela pode ser mantida por bastante tempo sem perder seu valor nutricional.

Existe uma quantidade diária ideal de chia?

É complicado falar em uma quantidade de chia ideal por dia porque seus nutrientes podem ser conseguidos de outros alimentos, e tudo irá depender da dieta de cada pessoa.

“O que existe é uma quantidade recomendada de fibras a ser ingerida num único dia”, alerta Raisa Coelho. “Então, é preciso saber quais outros alimentos que são fontes de fibra compõem a alimentação do indivíduo e, assim, orientá-lo da maneira correta”.

De qualquer forma, evite ultrapassar duas colheres de sobremesa da semente por dia. Além disso, como é um alimento rico em fibras, também é indispensável o consumo de água regularmente.

Contraindicações

Em condições normais, não há contraindicações para o consumo da semente por pessoas saudáveis.

No entanto, quem sofre de alterações gastrointestinais, como síndrome do intestino irritável, diarreias frequentes e diverticulite (inflamação do cólon), poderá sentir desconfortos ou agravar a situação em razão das fibras da semente.

Da mesma forma, pessoas que estejam num estágio pós-cirúrgico de operações no cólon ou no estômago devem evitar a chia.

“Também existem situações específicas, geralmente no âmbito hospitalar, onde a formação de resíduos (fezes) é indesejada ou precisa ser evitada para alguns pacientes”, lembra Raisa Coelho.

Vale ressaltar novamente a importância do consumo recorrente de água, pois mesmo pessoas sem problema de saúde algum podem sentir desconfortos se não seguirem essa recomendação ao implementarem a semente de chia na dieta.

Receitas que levam chia

O chá de chia é relativamente simples: basta ferver as sementes em água e pronto, pode beber. Então, separamos abaixo algumas receitas um pouco mais elaboradas e saudáveis que levam chia.

Pudim de chiaIngredientes

  • 1 xícara de chá de leite de coco natural;
  • 2 colheres de sopa de sementes de chia;
  • ½ colher de chá de extrato de baunilha.

Modo de preparo

Misture bem todos os ingredientes, batendo até formar uma espécie de pasta e quase parecendo uma gelatina. Depois, coloque na geladeira por algumas horas e consuma em até uma semana.

Dica: se for montar uma taça, é possível combinar com diversas frutas e geleias. As mais recomendadas para esse pudim são morango e geleia de mirtilo. Intercale o pudim com a geleia na taça e complete em cima com as frutas cortadas. Pode-se adicionar nozes e castanhas também.

Smoothie de frutas e chiaIngredientes

  • 12 unidades de amoras;
  • 3 unidades de morango;
  • 1 colher de chá de sementes de chia;
  • 150 ml de leite vegetal à sua escolha (pode ser coco, quinoa, aveia etc.);
  • 1 unidade de banana prata.

Modo de preparo

Lave as frutas vermelhas e junte com a banana e o leite vegetal no liquidificador. Bata bem e acrescente as sementes de chia depois.